09/09/2020
0 Comentários

Redução na oferta de contêineres vazios desafia mercado exportador

Com a redução no volume de importações no Brasil, em meio à pandemia e seus impactos sobre a economia global, os exportadores do país têm um desafio extra a ser vencido: a redução na oferta de contêineres vazios. O problema pode impactar nas exportações brasileiras, que atualmente estão em alta. 

O aumento do volume das vendas externas em velocidade muito maior do que as importações provocou um desequilíbrio no fluxo dos contêineres para o Brasil. Com isso, os navios trazem menos equipamentos do que seria necessário para atender a demanda.

Felipe Schmidt, assistente de operações da Allog, empresa especializada em logística internacional com matriz em Itajaí (SC), explica que as companhias marítimas vêm enfrentando limitações logísticas, já que parte dos contêineres que foram enviados à China ficou com cargas paralisadas no país asiático em fevereiro e ainda não retornaram ao Brasil. A expectativa é de que a situação comece a mudar a partir deste mês, já que os armadores acabam de fazer fretamento de um navio de contêineres vazios para equilibrar a oferta e a procura.

Efeito cascata

A paralisação de cargas nos portos chineses, definida pelo governo daquele país, foi uma medida de contenção de transmissão do novo coronavírus. “Em três semanas de paralisação das atividades portuárias, no inicio do ano, já se registrava uma queda significativa”, pontua Felipe. Por consequência, operações em todo o mundo sofreram impactos, com reflexos na distribuição local dos produtos importados e um efeito cascata também no Brasil.

Para suprir a deficiência, armadores estão preenchendo espaços ociosos nas embarcações com contêineres vazios. Quem precisa deles, pode enfrentar filas e deixar a carga no chão por mais tempo do que o desejado. Em, último caso, até deixar de exportar.

Estratégias 

Para driblar a falta de contêineres neste momento e priorizar bookings do mercado, a Allog tem alimentado um alinhamento contínuo com os armadores para entender como está funcionando o controle de estoque e liberações diárias. A estratégia é um acompanhamento bastante próximo ao armador. “A meta é oferecer a melhor solução para as empresas. Trabalhamos com parcerias fortes com todos os armadores e, dessa forma, nossos bookings ganham prioridade para liberações”, observa Felipe.

Com um incremento a mais da prontidão de carga, a Allog também vem buscando eliminar toda carga que possa não ser cumprida dentro dos prazos estabelecidos pelos armadores. “Desta forma, conseguimos eliminar junto ao armador tudo que estiver em excesso, causando um possível erro de cálculo, tanto para espaços nos navios quanto na reposição dos contêineres”, explica.

Comentar
Covid-19: intenção de consumo das famílias tem maior queda em 10 anos

A Intenção de Consumo das Famílias (ICF), medida pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), recuou 13,1% na passagem de abril para maio deste ano. Essa foi a queda mais intensa do indicador desde o início da pesquisa, em janeiro de 2010.

+
Confiança da indústria aumenta 3,2 pontos de abril para maio, diz FGV

O Índice de Confiança da Indústria, da Fundação Getulio Vargas (FGV), cresceu 3,2 pontos de abril para maio. Com o resultado, o indicador chegou a 61,4 pontos, em uma escala de zero a 200 pontos. Apesar da alta, o índice está no segundo menor nível da série, acima apenas do resultado de abril (58,2 pontos), e representa uma recuperação de apenas 7,4% da perda de 43,2 pontos observada entre fevereiro e abril desse ano.

+
Prévia da inflação oficial registra queda de preços de 0,59% em maio

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), que mede a prévia da inflação oficial, registrou deflação (queda de preços) de 0,59% neste mês de maio. A taxa é menor do que a observada em abril deste ano (-0,01%) e em maio do ano passado (0,35%).

 

+