14/07/2020
0 Comentários

Portos do Paraná fecham semestre com alta de 13% na movimentação

Os Portos do Paraná movimentaram 28,1 milhões de toneladas de cargas, no primeiro semestre de 2020. O número confirma uma série de recordes alcançados pelos terminais de Paranaguá e Antonina nos primeiros seis meses do ano e é 13% maior que o registrado no mesmo período de 2019, quando foram 25 milhões de toneladas.

O maior crescimento foi nas exportações: 18%. Cerca de 18,5 milhões de toneladas de cargas saíram do Brasil pelos portos paranaenses. No ano passado, esse volume foi de 15,7 milhões de toneladas.

“Tivemos um semestre excelente para a atividade portuária. O dólar alto, a grande demanda por grãos e o tempo seco favoreceram as exportações. Além disso, os cuidados adotados no combate ao coronavírus foram essenciais para dar a segurança necessária para produtores, compradores e trabalhadores, de que o porto continuaria funcionando”, destaca Luiz Fernando Garcia, diretor-presidente da Portos do Paraná.

GRANÉIS – A exportação de soja respondeu por 33% de toda a movimentação de 2020. Foram 9,2 milhões de toneladas carregadas. Alta de 59% em relação ao exportado entre janeiro e junho de 2019, quando foram 5,8 milhões de toneladas.

O açúcar, embarcado em saca e granel, teve o maior crescimento: 70%. Este ano, mais de 1,5 milhão de toneladas foram carregadas. Em 2019, foram exportadas pouco mais de 904,8 mil toneladas.

LÍQUIDOS – Entre os granéis líquidos de exportação, os derivados de petróleo apresentaram alta de 64%, com um volume movimentado de quase 366,8 mil toneladas, no primeiro semestre. Nos óleos vegetais, principalmente de soja, o aumento registrado foi de 45%. Foram 631,4 mil toneladas exportadas este ano.

IMPORTAÇÃO – As importações nos portos paranaenses cresceram 4% no primeiro semestre. Cerca de 9,6 milhões de toneladas de cargas entraram no Brasil pelos portos de Paranaguá e Antonina. Em 2019, no mesmo período, o volume de carga desembarcado foi de 9,2 milhões de toneladas.

As maiores altas foram registradas na movimentação de carga geral (12%) e fertilizantes (8%). De carga geral foram mais de 2 milhões de toneladas importadas este ano, contra 1,8 milhão nos seis primeiros meses do ano passado.

Os fertilizantes são os principais granéis sólidos de importação. No semestre, o volume movimentado passou de 4,4 milhões de toneladas. Em 2019, no mesmo período, 4,1 milhões de toneladas foram desembarcadas.

CONTÊINERES – As importações e exportações de cargas em contêineres também aumentaram. A alta no segmento foi de 6%. Este ano, foram 446.556 TEUs (unidades específicas) movimentadas no semestre. Em 2019, 419.616 TEUs.

As importações somam as maiores quantidades, tanto neste ano quanto no ano anterior. No primeiro semestre de 2020, foram 230.179 TEUs importados, 9% a mais que em 2019 (211.574 TEUs). Na exportação, o crescimento foi de 4%. Foram 216.377 TEUs neste ano, ante 208.042 TEUs no ano passado.

Comentar
Covid-19: intenção de consumo das famílias tem maior queda em 10 anos

A Intenção de Consumo das Famílias (ICF), medida pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), recuou 13,1% na passagem de abril para maio deste ano. Essa foi a queda mais intensa do indicador desde o início da pesquisa, em janeiro de 2010.

+
Confiança da indústria aumenta 3,2 pontos de abril para maio, diz FGV

O Índice de Confiança da Indústria, da Fundação Getulio Vargas (FGV), cresceu 3,2 pontos de abril para maio. Com o resultado, o indicador chegou a 61,4 pontos, em uma escala de zero a 200 pontos. Apesar da alta, o índice está no segundo menor nível da série, acima apenas do resultado de abril (58,2 pontos), e representa uma recuperação de apenas 7,4% da perda de 43,2 pontos observada entre fevereiro e abril desse ano.

+
Prévia da inflação oficial registra queda de preços de 0,59% em maio

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), que mede a prévia da inflação oficial, registrou deflação (queda de preços) de 0,59% neste mês de maio. A taxa é menor do que a observada em abril deste ano (-0,01%) e em maio do ano passado (0,35%).

 

+